Influências da minha vida!

17 de mar de 2010 by Josemar Júnior

Desde criança eu sempre soube o queria ser quando crescesse, trabalhar como um estilista. Aos sete anos de idade, além de apaixonado pela minha caixa de lápis de cor, eu também adorava acompanhar minha mãe e minha irmã quando elas iam à costeira. É certo que nem sempre elas queriam me levar, mas depois de uma ceninha de choro eu sempre conseguia convencê-las a me levar.

A primeira coisa que fazia quando chegava à costureira era procurar disfarçadamente entre os tecidos se havia algum croqui, e para minha alegria na maioria das vezes sempre encontrava um desenho todo amassado em alguma sacola. Daí quando encontrava meus olhos se enchiam de tanta felicidade, pois apreciava aqueles rabiscos muitas vezes indefinidos, mas que eu achava uma verdadeira obra de arte. Feito isto, eu perguntava a Dona Deuzira (a costureira) - se ela poderia me dar aquele desenho, e sorridente ela me respondia: se o modelo já foi confeccionado e entregue, é seu. Mas nem todos que já tinham sido confeccionados e entregues as clientes ela me dava, pois guardava o desenho como arquivo caso ela precisasse novamente. No entanto, além de garimpar os modelos da costureira eu também tive a felicidade de ter uma irmã que desenhava ma-ra-vi-lho-as-me-nte, a qual foi a culpo diretamente pela escolha da minha profissão. Até hoje guardo os desenhos dela, pois sempre admirei seu traço. Mesmo não seguindo a carreira minha irmã foi um referencial para mim. Para tanto, além de toda essa influência que me cercava na infância, eu também era influenciado pela TV dos anos 80. Onde as babás eletrônicas como Xuxa e Mara Maravilha dominavam o universo infantil. Mas na época quem de fato me chamava mais atenção era uma figura polêmica que não tinha nada haver com o mágico das crianças, Clodovil Hernandes. O estilista foi um ícone para mim, era fascinante vê-lo desenhando e comentando sobre o modelo.

Depois de crescido continuei admirando sua inteligência, mas discordava muitas vezes de sua postura polêmica, ao mesmo tempo entendia que ele fazia aquilo para chamar atenção das pessoas, pois acredito que ele nunca superou certos problemas de infância que ele mesmo relatava em seus programas.

Portanto, após um ano do seu falecimento decorrente de aneurisma cerebral no dia 17 de março de 2009 aos 71 anos de idade, relembro o aniversário de sua morte, já que, Clodovil foi um dos precursores da moda brasileira, e que também fez história na televisão como apresentador em quase todas as emissoras. Clodovil morreu sendo o terceiro deputado federal mais votado do país, eleito pelo estado de São Paulo nas eleições de 2006.

O estilista em seu ateliê, em 1973, entre menequis vestidas com suas criações.

Clodovil rabiscando um croqui em uma sessão do plenário federal.

Posted in Marcadores: |